Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email
(Idioma: português de Portugal – para traduzir, clique com o botão direito do mouse e selecione a opção de tradução ou clicando nas configurações do Google, pelo smartphone)

Falar do futuro a 20 anos implica uma visão e uns objetivos claros e abrangentes, pelo que assume enorme sentido e força nas empresas familiares a continuidade suportada em dois grandes pilares: o legado e a tradição.

É um sentimento comum que as empresas familiares valorizam, acima de tudo, a continuidade do negócio em mãos da família, em detrimento de quaisquer outros objetivos de índole mais económico ou financeiro.

O estudo “Global family business survey 2019” desenvolvido pela Deloitte, em 2019, solicitou aos seus participantes que identificassem quais os principais objetivos que perseguiam a longo prazo (mais 20 anos), tendo sobressaído o seguinte:

  • A continuidade do legado e da tradição – um enorme sentido de responsabilidade pela receção, manutenção e passagem da herança patrimonial: história, valores, conhecimento e práticas de sustentabilidade e integração com o meio envolvente;
  • Preparar as pessoas e a empresa – capacitar as gerações mais novas para compreenderem o essencial do negócio, os distintos papéis que podem assumir e a importância de profissionalizar as estruturas de governo da empresa e da família: as pessoas com o perfil ideal para assumir as funções que permitam enfrentar os contínuos desafios da competitividade e sobrevivência;
  • A coexistência geracional – a sobreposição de duas ou mais gerações nas estruturas da família e da empresa familiar não é um problema mas uma oportunidade: a interação do conhecimento prático das gerações mais seniores com a perceção das tendências de futuro vividas pelos mais novos, permite formular cenários de evolução mais longínquos e consistentes com os mercados;
  • A visão e a missão da família empresária – compreender as vantagens de manter uma família coesa em torno do negócio: a reputação da família é visualizada pela soma das ações de todos os seus membros, com relevância para os seus comportamentos no meio envolvente e a sua integração e desenvolvimento social nas suas áreas de atuação geográfica.

Definir e procurar alcançar com metas de muito longo prazo só é viável quando os sócios da empresa as definem e elegem líderes que as assumem, desenvolvem e implementam. Esta é uma enorme responsabilidade que cabe a todos e que fica muito visível pela prática quotidiana da gestão do negócio; seja ela assegurada por membros da família, externos à mesma ou uma combinação destes perfis.

A Casa Agrícola Alexandre Relvas nasceu da vontade de dar continuidade à história de uma família ligada à terra ao longo de cinco gerações, em dois continentes. Este projeto teve início em 1997, em São Miguel de Machede, com a vontade de Alexandre Relvas, a formalizar-se na plantação de 10ha de vinha na Herdade de São Miguel. No ano seguinte surgem mais 25ha, já com a participação do consultor de viticultura e enologia Nuno Franco. 

António considera que é diferente trabalhar numa empresa familiar: “Estamos a trabalhar para os nossos filhos, netos, bisnetos. Tentamos construir uma pirâmide com umas bases sólidas para ficar e isso dá-nos ainda mais força” (observador, 2019/11/16)

A empresa apresenta uma visão suportada em “celebrar a vida está na nossa natureza” e a missão em “produzir vinhos de qualidade para acompanhar cada momento da vida, vinhos capazes de tornar especial o prazer de uma refeição, celebração, encontro de amigos ou o reviver de recordações dos bons momentos.”

Assumem-se como uma adega amiga da terra, justificada por a família ter crescido ligada à terra, que é quem os inspira e suporta o desejo de passá-la às futuras gerações.

São uma empresa pioneira no programa de sustentabilidade de vinhos do Alentejo acreditando na importância de uma atuação sustentável em todas as dimensões: social, ambiental e económica.

Promovem o emprego local; plantaram de 100.000 sobreiros e pinheiros, privilegiando as espécies autóctones e a floresta de montado; introduziram ovelhas nas vinhas para reduzir o uso de herbicidas e de adubos químicos (50% da fertilização é feita de composto animal e de resíduos orgânicos da adega); nos últimos anos alcançaram uma redução de 30% da água gasta por garrafa produzida e 100% da água usada na adega é reciclada para irrigação das vinhas.

Alexandre considera que os seus próprios filhos já têm hoje esse amor ao campo e “um enorme à vontade com animais, lama, pó, moscas e insetos e escaravelhos.”

Temas para Reflexão:

  • O que é que nos motiva a manter a nossa empresa familiar?
  • Os nossos objetivos de longo prazo são partilhados pelas novas gerações?
  • As nossas práticas diárias são consistentes com o caminho a percorrer para alcançar o futuro desejado?
Publicado emArtigos
Fechar