Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Devido as grandes mudanças no cenário cultural, tanto em relação ao papel feminino quanto com a maior frequência de relacionamento entre pessoas de meios culturais muito diferentes, as famílias têm opinado cada vez menos nas escolhas conjugais dos filhos, em contrapartida, têm colocado muito mais carga na decisão destes, uma vez que são escolhas próprias e dessa forma, é necessário lidar com elas.

Essa fase é marcada pelo surgimento de um novo casal. Esse ato pode afastar os jovens de suas famílias de origem, ou pode repercutir de modo contrário, trazendo-os para mais perto, unindo mais a família com um novo membro.

As dificuldades enfrentadas pelos novos empreendedores podem, igualmente, uni-los em busca de soluções e fortalecer os laços afetivos ou desencadear uma sequência de desencontros emocionais, visto que muitas vezes, um cônjuge se volta com mais afinco para a empresa recém-criada e o outro pode, não raro, ressentir-se disso, visto que pode ser deixado de lado em prol do empreendimento ao qual o outro se dedica.

Grande parte desses pequenos – a princípio – problemas poderiam ser resolvidos logo no início, caso o fator “comunicação” fosse mais explorado pelo casal. Pequenas negociações, ajuda mútua e um maior preparo para separar a vida pessoal do trabalho ajudariam esses casais a se manterem firmes e consequentemente, manter firme o seu empreendimento.

Ocorre também nessa fase, a inserção do filho na empresa já existente do família de origem, o que pode ser muito positivo para a empresa e para a relação familiar, ou pode gerar conflitos. Vai depender de como se configurou a relação familiar durante todo o desenvolvimento deste jovem adulto.

Nessa fase também pode acontecer da empresa passar para a segunda geração, o patriarca pode colocar o filho em seu lugar, visto que ele já é adulto, ou também ocorre a resistência do fundador em passar o bastão, baseado no medo e insegurança no futuro da empresa.

REFERÊNCIAS

CARTER, M. M. et al. As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para a terapia familiar. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 1995. 512p

VRIES, Mafred Kets de, et al. A Empresa Familiar no Divã – Uma Perspectiva Psicológica. 1. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009. 302p 

Publicado emArtigos
Fechar