Os ciclos de desenvolvimento da Família – Parte 6 – A Família no Estágio Tardio da Vida

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

A respeito da terceira idade, pouco se fala numa perspectiva positiva. Prevalecem as visões pessimistas e voltadas para o quão sofrida e dolorosa essa fase pode ser. Há um grande mito de que os idosos não têm famílias e que são “largados” em instituições. Porém, isso não se comprova na realidade. A maioria dos idosos não vive sozinho e nem foram institucionalizados, mas vivem com suas famílias, tendo alguém como cuidador principal. Sobre os que vivem sozinhos, estatísticas mostradas no livro afirmam que 80% vivem a menos de uma hora de distância dos filhos.

A respeito das tarefas mais importantes da família nesse estágio, podemos citar os ajustes necessários por conta da aposentadoria, por exemplo, uma vez que isso pode criar um sentimento de vazio na vida dos aposentados, principalmente quando estes não encontram uma nova forma de ocupar-se. Outro ponto muito importante é a perda do cônjuge, uma vez que com esse acontecimento, o idoso precisa fazer todo um reajustamento para a vida sozinho, o que se torna um grande problema e causa de bastante sofrimento, depois de toda uma vida como casal. Nessa fase, ao papel de avós que eles exercem pode ser de grande ajuda, pois esse relacionamento livre das fortes responsabilidades paternas, baseia-se no carinho entre as partes e pode proporcionar um novo interesse pela vida.

É comum ocorrer problemas nessa fase no sentido de abrir mão de alguns de seus poderes como patriarca/matriarca, como por exemplo, o avô que reluta em passar a administração da empresa para o filho ou neto ou fazer planos para uma inevitável sucessão.

Apesar de todos os problemas que podem ocorrer acarretados pela idade avançada, é necessário que se tenha a consciência de que mesmo debilitados, os membros mais velhos da família possuem muitos anos a mais de experiência e serão sempre modelos para as novas gerações e devem ser tratados e respeitados como tal e não inferiorizados devido à suas condições fragilizadas por conta da idade.

REFERÊNCIAS

CARTER, M. M. et al. As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para a terapia familiar. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 1995. 512p

VRIES, Mafred Kets de, et al. A Empresa Familiar no Divã – Uma Perspectiva Psicológica. 1. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009. 302p

Publicado emArtigos
Fechar