mentor

Por que um CSO é indispensável numa organização moderna?
por Deni Belotti

Aprendi com Ken Blanchard, que foi meu professor no MBA da CalState – California State University, que todas as grandes corporações tem um CEO. O CEO, além de ser o mais elevado posto de uma empresa pode, também, ser o Presidente do Conselho (Chairman of the Board) ou mesmo o Presidente de uma companhia, mas geralmente estas funções são desempenhadas por diferentes pessoas, com intuito de impedir que haja prevalência de uma personalidade específica e também para prevenir eventuais conflitos de interesse contra os acionistas. CEO’s devem possuir competências extraordinárias muito acima da média, especialmente em liderança e comunicação. Saí daquele MBA com a certeza de que um dia eu seria um CEO.

Aprendi também, com o mesmo mestre, que todas as corporações precisam ter um CSO.

O CSO (Chief Spiritual Officer) não tem função operacional direta na empresa (atua no nível do Conselho de Administração), mas tem como missão o estabelecimento e a manutenção de princípios inegociáveis, contra os quais todas as decisões de uma corporação precisarão ser comparadas de forma a garantir coerência e minimizar a suscetibilidade aos abalos sísmicos derivados da ganância comentada por Jim Collins em Good to Great.

O CSO é uma espécie de mentor dos executivos e membros do Conselho, ajudando cada um a manter equilibradas as demandas profissionais, familiares, pessoais e espirituais dentro de expectativas exequíveis e consoantes com as crenças de cada um. É um especialista em prevenção – prevenir na corporação é melhor do que remediar na negociação ou na demissão.

O CSO deve ser dotado de competências e personalidade incomuns, de habilidades e formação específicas, de características pessoais como isenção, caráter, ousadia e firmeza de opinião, comissionando-o para atuar como mentor, mediador e facilitador entre os dirigentes corporativos e acionistas.

A matriz de trabalho de um CSO está estabelecida visando a construção de Fidedignidade e Confiança, pavimentada através de análises que incluem aspectos básicos de Caráter e Competência, suportados por princípios milenares de Sabedoria e Talento. O objetivo do trabalho de um CSO é ajudar os dirigentes e acionistas de uma organização a encontrar o melhor balanço entre as quatro necessidades básicas de um ser humano: Viver, Aprender, Amar e Deixar um Legado. A grade de qualificação utilizada pelo CSO para desenvolver cada indivíduo está baseada em quatro tipos de pessoas indispensáveis: Modelos, Mentores, Parceiros e Amigos. A partir desta grade, o CSO desenvolve o conceito modular de Liderança, incluindo seus Atributos, seus Papéis e suas Dimensões.

Num mundo cada vez mais globalizado e focado no indivíduo, o CSO ocupa uma função indispensável para a manutenção do equilíbrio dos executivos e acionistas de qualquer corporação e sua relação com o caráter das marcas que estes representam.

Hoje, sem querer, achei este texto que escrevi em 2001 no campus de Hayward.

Quer saber?

Cansei de ser CEO. Nasci pra ser CSO!

Publicado emArtigos

Deixe um comentário